SANTA CATARINA

A vida de Santa Catarina

Nascimento e Conversão

Catarina nasceu em Alexandria, por volta do ano 290, filha do Rei Costus e da Rainha Sabinela. Começou logo os seus estudos na escola de Alexandria. Ela distinguia-se por sua beleza e inteligência. Ela não era cristã a assim como seus pais. Seu pai faleceu quando ela era adolescente.

A mãe de Catarina, Sabinela, encontrou-se então com um monge cristão eremita, Ananias, que lhe anunciou a fé cristã. Ela aderiu a Jesus Cristo e foi batizada. Como verdadeira cristã deseja que a filha também conheça Jesus. Catarina porém resiste a insistência da mãe.

Catarina chega à conversão depois de ter tido um sonho e procura o eremita para explicá-lo. Sua vida muda totalmente a partir deste encontro. Ela recebe toda a instrução cristã e é batizada. Catarina acolhe a Sagrada Escritura como seu pão cotidiano e torna-se discípula fervorosa de Jesus.

 

Apostolado de Catarina

Catarina despertava o interesse de muitos príncipes, por causa de sua beleza e inteligência. Ela, porém, era radical na sua decisão de seguir Jesus Cristo, recusando as honras e riquezas terrenas.

Catarina era ousada em combater outros deuses e anunciar ao povo o Deus Verdadeiro, que enviou Jesus Cristo, seu filho, para nos salvar. Também falava do Espírito Santo que está em cada pessoa e a torna templo da Santíssima Trindade.

Com apenas 18 anos ela confunde, em discussão pública, os maiores filósofos da Cidade.

 

Defesa dos Cristãos

O Imperador Maxêncio, no ano 307, decretou uma perseguição aos cristãos de Alexandria. Para descobrir quem seriam os cristãos, promoveu uma festa no templo dos deuses e convocou todo o povo para oferecer incenso aos ídolos.

Por medo da morte, os cristãos viam-se constrangidos a queimar incenso a estes deuses em quem não acreditavam. Catarina, sabendo deste fato, foi enfrentar o próprio imperador. Ela o reprovou pela ingratidão para com Deus e convocou-o a praticar a justiça, bem como aderir a Jesus Cristo.

O Imperador procurou refutar as afirmações de Catarina e provar que o cristianismo era um absurdo. Ela, porém, ficou inabalável na fé.

 

Vitória contra os sábios

O Imperador Maxêncio, frente a determinação de Catarina por Cristo, convoca ela e sábios do império para uma disputa. No dia combinado, sábios e Catarina apresentam-se no palácio real. O imperador e muitos alexandrinos acompanham a disputa.

Primeiro os sábios apresentam a defesa dos deuses e são aplaudidos fortemente pelo público, inclusive pelo imperador.

Catarina passa a falar de Deus, divindade sem princípio, criador da terra e do céu, da humanidade de Cristo para nossa salvação. Sua firmeza e clareza nos argumentos convenceu os sábios e muitos presentes que passaram a crer em Jesus Cristo.

O imperador furioso mandou queimar os sábios em praça pública.

 

Catarina na prisão

O Imperador Maxêncio ordenou que Catarina fosse colocada na prisão após ter confundido os sábios do reino e eles terem se tornado cristãos. No dia seguinte mandou que fosse trazida à sua presença. Apaixonado por sua beleza, queria conquistá-la por meio de adulações e propostas, inclusive de construir e dedicar um templo para ela.

Catarina, firme na sua resolução de seguir a Cristo, insistia para que o imperador parasse com tais insinuações. Decepcionado, o imperador ordenou que a flagelassem e a deixassem na prisão sem comer e sem beber.

 

Catarina ajuda na conversão da Imperatriz e do General

A imperatriz num sonho viu Catarina na prisão rodeada de luz e assistida por pessoas vestidas de branco. Procurou o General Porfírio que a levasse a prisão para vê-la. O general que já tinha perdido a fé nos deuses e se inclinava a aderir a Cristo atendeu prontamente o pedido da imperatriz.

Ao chegarem à noite na prisão, viram-na toda iluminada. Foi para ambos a hora da graça. Conversaram longamente com Catarina. Ambos fizeram sua adesão esclarecida e corajosa a Cristo, porém Catarina preparou-os para as conseqüências desta decisão, inclusive o martírio.

O general comandava 500 homens. Confirmado na fé, anunciou Jesus a seus soldados. Muitos se converteram.

 

Catarina condenada à morte e as rodas se despedaçam

Catarina já estava na prisão há 12 dias, sem comer e beber. Então foi convocada pelo tribunal. Ao chegar o imperador ficou admirado que ela estava mais linda ainda. O imperador ordenou que os guardas fossem castigados se não revelassem quem a ajudou na prisão. Para defender a vida dos guardas, Catarina declarou:

“Se estou com boa aparência, é porque Aquele que eu confessei diante de ti, dignou-se alimentar a mim com pão celestial”.

O imperador ficou mais irritado ainda e a acusou de feiticeira e ordenou que fosse torturada e assassinada.

No caminho para a tortura e morte, Catarina converteu a muitos que a motivavam a aceitar os pedidos do imperador.

Um dos funcionários da corte teve a idéia de Catarina ser condenada ao suplício das rodas com facas. Eram quatro rodas que girariam em direções diversas, estraçalhando o corpo que estivesse no meio delas. Ele disse isso ao imperador e ele concordou.

A máquina foi colocada em praça pública e Catarina foi trazida ao local. Enquanto preparavam tudo, Catarina tranqüila rezou:

“Ó Deus, que não cessas de vir em socorro daqueles que te invocam, atende-me. Peço-te que está máquina seja destruída, não porque tenho medo da morte, pois quero, de coração, chegar a ti por qualquer tipo de morte. Peço isto para que aqueles que estão aqui, tocados pelo teu poder, venham a glorificar teu nome.”

Ao terminar a oração, aconteceu algo estrondoso que quebrou a máquina de tal maneira que os seus pedaços atingiram a muitos e algumas pessoas morreram, como os seus algozes. Após este acontecimento Catarina foi mandada novamente à prisão.

 

Martírio da Imperatriz e do General Porfírio

A imperatriz foi ao encontro de seu marido e disse: “Porque lutas contra o Senhor meu Deus? É uma loucura te ergueres contra o criador! Pensas que terás êxito? Reconhece, ao menos agora, nas rodas quebradas, o poder do Deus dos cristãos.”

Irritado por ver que sua esposa professava a fé em Jesus Cristo, ordenou aos carrascos que a levassem ao lugar do suplício pra ser morta.

A imperatriz ainda conseguiu falar com Catarina e lhe disse: “Ó virgem de Jesus Cristo, reza por mim ao Senhor Deus, pois é por ele que eu estou lutando. Pede-lhe que confirme a minha coragem, que fortaleça o meu coração, para que pelo martírio alcance a Vida que Cristo prometeu a seus servos.”

Catarina respondeu: Não tenha medo, rainha! És amada pelo Senhor Deus. Age com coragem, pois hoje em troca desse reino passageiro, ganharás o Reino eterno; em lugar de teu esposo mortal, farás aliança com o esposo imortal. Pela morte rápida chegarás a vida que não tem fim.”

Encorajada, a Rainha pediu aos algozes realizarem rápido o que foi pedido pelo imperador. Os carrascos levaram a Rainha para fora da cidade e decapitaram-na.

Na manhã seguinte, o imperador ficou sabendo que o General Porfírio e seus soldados haviam embalsamado e sepultado o corpo da Imperatriz. Enfurecido, ordenou que o general e seus soldados fossem decapitados e que seus corpos fossem devorados pelos cães.

 

Martírio de Catarina

 

O imperador, após alguns dias da morte da imperatriz e do general, mandou trazer Catarina a sua presença e lhe disse:

“Embora sejas mais culpada que todos aqueles que, seduzidos por teus feitiços, foram levados a sentença de morte, se te arrependeres e ofereceres incenso aos nossos deuses onipotentes, poderás reinar feliz conosco e ser nomeada a primeira dama em nosso império.”

Catarina desprezou as promessas do imperador e lhe declarou ser fiel a Jesus Cristo. Imperador então ordenou que Catarina fosse decapitada imediatamente.

Seguindo pelo caminho do martírio viu a multidão que a seguia e que muitos choravam. Disse-lhes:

“Se alguma piedade natural vos comove a meu respeito, peço-vos: alegrai-vos comigo, pois vejo Nosso Senhor Jesus Cristo que me chama. Ele é a grande recompensa dos santos.”

Pediu ao carrasco para poder fazer uma oração e terminada disse a ele: Nosso Senhor me chama, faça o que tens a fazer! Então o algoz, de um só golpe, decepou-lhe a cabeça.

 

Imagem de Santa Catarina

 

Na Imagem de Santa Catarina, temos a roda quebrada justamente pelo fato que aconteceu da intervenção de Deus. Temos a espada como sinal de como ela sofreu o martírio e a Palma como símbolo de todos os santos que foram fiéis a Cristo, especialmente pela morte.

 

Oração à Santa Catarina

Virgem e mártir, flor divina gloriosa Santa Catarina, pór aquela fé viva, que vos animou desde a mais tenra idade e que vos fez tão agradável aos olhos de Deus, que merecestes não só a coroa do martírio, mas também confundiste os sábios deste mundo e os converteste à religião de Cristo – alcançai-nos, nós vo-lo pedimos a graça de conservarmos a nossa fé em toda a sua pureza e de professá-la sinceramente todos os dias de nossa vida e como sois nossa padroeira e intercessora junto de Deus obtende-nos a graça, que agora vos suplicamos de todo o coração. Amém.



Hino de Santa Catarina

1. Nossa Igreja Peregrina, sempre unida à Santa Sé. /:No Evangelho se ilumina, para as lutas pela fé.

:/ Virgem, mártir, flor divina, que morreste pela cruz. /:Salve Santa Catarina, seguidora de Jesus.:/

2. Como nossa protetora, seguiremos com amor. /:A doutrina salvadora de Jesus, Nosso Senhor.:/

3. Do Estado à Santa Igreja, uma prece ardente faz. /:Suplicando à Padroeira, que lhe dê justiça e paz.:/

Paróquia Santa Catarina

Avenida Souza Melo, 207
Bairro Sarandi
Porto Alegre, RS

Secretaria Paroquial
Terça a sexta-feira, das 8h às 12h e das 14h às 18h
Sábado, das 8h às 12h e das 14h às 18h

Atendimento:
(51) 3364 4919 

secretaria@paroquiasantacatarina.net